Please use this identifier to cite or link to this item: http://bibliotecadigital.economia.gov.br/handle/123456789/525046
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorMagalhães, Celso de-
dc.date.accessioned2014-12-02T19:40:23Z-
dc.date.accessioned2021-11-27T03:42:06Z-
dc.date.available2014-12-02T19:40:23Z-
dc.date.available2021-11-27T03:42:06Z-
dc.date.created2014-12-02T19:40:23Z-
dc.date.issued2011-10-
dc.identifierhttp://repositorio.enap.gov.br/1/1606-
dc.identifier.urihttp://bibliotecadigital.economia.gov.br/handle/123456789/525046-
dc.description.abstractA preocupação com a qualificação do servidor público não é um tema recente. A primeira experiência de profissionalização do serviço público remonta à criação do Departamento Administrativo do Serviço Público (Dasp), em 1938. A existência do órgão permitiu que fosse iniciada reflexão sobre a burocracia de Estado: seu dimensionamento e necessidade de formação e capacitação, entre outras questões. O texto a seguir foi produzido por um dos quadros técnicos do Dasp, em 1942 – há cerca de 70 anos. Naquele período já existia preocupação com o aperfeiçoamento constante do servidor. O autor argumenta não somente em favor desse aprendizado constante, mas também pela necessidade de um bom curso de formação inicial para as carreiras, o que – segundo ele – não era comum naquela época. Conforme o autor, “de nada adianta ensinar processos novos a quem ainda não conhece os métodos velhos”. Alguém discordaria? Entretanto, a busca pela novidade, pelo guru da moda (aquele que tem a resposta para os problemas) é uma constante no cenário dos dirigentes. Não seria isso resultado de um problema de formação de base? Afinal, a administração tem alguns conjuntos de técnicas que fazem dela uma ciência. Será que nossos gestores as conhecem de verdade? E se as conhecem, sabem aplicá-las? Entre o conhecimento teórico e prático existe uma grande distância. Diante de um problema grave que persiste há bastante tempo numa instituição e que requer esforço de aprendizado por parte do gestor – para apreender, processar e propor uma solução –, muitas vezes se escolhe um atalho: a solução miraculosa que maquia, mas não resolve. Mas essa já é outra história.-
dc.languageIdioma::Português:portuguese:pt-
dc.publisherEscola Nacional de Administração Pública (ENAP)-
dc.publisherRevista do Serviço Público (RSP)-
dc.rightsEscola Nacional de Administração Pública (ENAP)-
dc.rightsAcesso::Acesso Aberto-
dc.rightsTermo::Licença Padrão ENAP::É permitida a reprodução e a exibição para uso educacional ou informativo, desde que respeitado o crédito ao autor original e citada a fonte (http://www.enap.gov.br). Permitida a inclusão da obra em Repositórios ou Portais de Acesso Aberto, desde que fique claro para os usuários esses “termos de uso” e quem é o detentor dos direitos autorais, a Escola Nacional de Administração Pública (ENAP). Proibido o uso comercial. Permitida a criação de obras derivadas, desde que respeitado o crédito ao autor original. Essa licença é compatível com a Licença Creative Commons (by-nc-sa).-
dc.sourcehttp://seer.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/83/80-
dc.subjectqualificação-
dc.subjectservidor público-
dc.subjectadministração pública-
dc.titleO aperfeiçoamento dos servidores do Estado-
dc.typeArtigo-
Appears in Collections:Revista do Serviço Público: de 2011 a 2020

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.