Please use this identifier to cite or link to this item: http://bibliotecadigital.economia.gov.br/handle/123456789/524992
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorChieregatto, Edmur Arnaldo-
dc.date.accessioned2015-07-28T15:59:32Z-
dc.date.accessioned2021-11-27T03:41:54Z-
dc.date.available2015-07-28T15:59:32Z-
dc.date.available2021-11-27T03:41:54Z-
dc.date.created2015-07-28T15:59:32Z-
dc.date.issued2015-04-
dc.identifierhttp://repositorio.enap.gov.br/1/2318-
dc.identifier.urihttp://bibliotecadigital.economia.gov.br/handle/123456789/524992-
dc.description.abstractEscrito em 1985, o artigo de Edmur Arnaldo Chieregatto traz consigo debates importantes sobre o tema da reforma administrativa, assunto que ressurge com vigor no atual cenário político nacional. Chieregatto contrapõe às convencionais visões do processo de modernização uma proposta mais flexível, mais voltada para os mecanismos de sua implementação, para a participação democrática e para as políticas de governo em programas prioritários. O autor ressalta que mais uma vez se vivia um período de agitação e de expectativas em torno de uma necessária reforma administrativa no setor público. Todavia, momentos como esse não deveriam ser compreendidos como reação a um longo período de estagnação, mas sim, deveriam ser vistos como parte de um processo permanente. Utilizando-se de linguagem metafórica, para Chieregatto a reforma que se cogitava era como um rio de longos trechos surpreendido por cataratas, dando a enganosa impressão de que as águas que a antecediam estavam estagnadas. Para o autor, nenhum processo de reforma e modernização administrativa se manteria vivo sem pressão política capaz de exigir constantes e insistentes modificações. A pressão política por reforma seria, portanto, vital para sua dinamização. Embora originada nos altos escalões do governo, a reforma deveria estar lastreada nas demandas da sociedade, por meio de seus canais de representação. Em nova metáfora, Chieregatto ressalta que a grande corredeira nunca se deteve e nem se deterá. Ela poderá ter cavado seu próprio leito, com seu ritmo, o que pode não ter atendido às expectativas da sociedade brasileira como um todo. Na perspectiva do autor, porém, nada é absolutamente velho ou absolutamente novo. Nisso residem as esperanças de uma reforma mais democrática e realista.-
dc.languageIdioma::Português:portuguese:pt-
dc.publisherRevista do Serviço Público (RSP)-
dc.publisherEscola Nacional de Administração Pública (Enap)-
dc.rightsEscola Nacional de Administração Pública (Enap)-
dc.rightsAcesso::Acesso Aberto-
dc.rightsTermo::Creative Commons - Uso Não Comercial (by-nc)::Esta licença permite que outros remixem, adaptem, e criem obras derivadas sobre a obra licenciada, sendo vedado o uso com fins comerciais. As novas obras devem conter menção ao autor nos créditos e também não podem ser usadas com fins comerciais, porém as obras derivadas não precisam ser licenciadas sob os mesmos termos desta licença. Fonte: http://creativecommons.org.br/as-licencas/-
dc.sourcehttp://seer.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/1169/690-
dc.subjectreforma política-
dc.subjectparticipação popular-
dc.subjectpressão política-
dc.subjectreforma administrativa-
dc.titleNenhuma reforma se mantém viva sem a pressão política-
dc.typeArtigo-
Appears in Collections:Revista do Serviço Público: de 2011 a 2020

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.